Fundação Educacional Miguel Mofarrej comemora seu cinquentenário em dezembro – Parte 12

Dando sequência à série de matérias sobre os 50 anos da Fundação Educacional Miguel Mofarrej (FEMM), mantenedora do Centro Universitário UNIFIO e do Colégio Santo Antônio, publicamos hoje um capítulo especial que registra a Nova gestão da FEMM a partir de 1990 pelos industriais Nildo Ferrari (falecido) e Roque Quagliato.

Nas próximas edições daremos continuidade à série de depoimentos publicados no Livro da FEMM por ocasião dos seus 40 anos, entre as quais uma entrevista especial com o advogado Ibraim Abujamra que em 1969, quando era presidente da Câmara Municipal de Ourinhos, iniciou os trabalhos para a instalação da primeira faculdade de Ourinhos, de Administração de Empresas.

 

Nova gestão e novos rumos para a FEMM

 

Em 1990, a Fundação Educacional Miguel Mofarrej passou a ser dirigida pelos industriais Nildo Ferrari (falecido) e Roque Quagliato. Nildo, então diretor-presidente da Caninha Oncinha, e Roque, diretor-presidente da Usina São Luiz, ambos com perfil empreendedor e arrojado, peculiar aos grandes administradores, trouxeram para a FEMM suas bem sucedidas experiências na área empresarial e um novo modelo de gestão que, desde o início, foi pautado pela seriedade e transparência. Embora as Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO), hoje UNIFIO, atendessem à demanda local e da região, com vários cursos de graduação, e o Colégio Santo Antônio estivesse alicerçado em uma tradição de ensino alcançada graças ao trabalho árduo e dedicado da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, necessitavam de um maior dinamismo para se modernizarem e, com isso, atenderem às expectativas de uma clientela cada vez mais exigente e carente de oportunidades, tanto na área do ensino superior como na educação básica – da Educação Infantil ao Ensino Médio. Conscientes da responsabilidade que lhes foi outorgada pela comunidade representada pelo Conselho de Mantenedores, através de eleição, e imbuídos de elevado espírito público, Nildo e Roque iniciaram um processo de reestruturação administrativa e financeira da FEMM que pudesse viabilizar as mudanças necessárias para inserir as duas instituições em um novo estágio de crescimento. Traçadas as primeiras diretrizes de trabalho para readequar os recursos humanos, materiais e pedagógicos das FIO (UNIFIO) e do Colégio com um novo conceito de gestão, Nildo e Roque buscaram profissionais qualificados e parceiros para dar um novo dinamismo à FEMM. Os trabalhos para a consolidação dos cursos de graduação existentes e a retomada do crescimento das FIO (UNIFIO) indicaram a necessidade de ampliar as opções na área do ensino superior, melhorar a estrutura pedagógica e a qualidade do nível docente e, no caso do Colégio, desenvolver ações mais efetivas para garantir a tradição de ensino e inserir o projeto pedagógico nas novas diretrizes educacionais do país. O prédio do Colégio, que também abrigava as FIO (UNIFIO), exigia uma reforma e readequação de espaços para atender à clientela estudantil e otimizar os serviços de administração. Pouco a pouco, e observando um criterioso planejamento, as reformas foram acontecendo e melhorando as condições físicas do prédio. Paralelamente, seguiam os esforços para cuidar da saúde financeira da instituição, viabilizando assim a possibilidade de novos investimentos, especialmente na área pedagógica, que permitiriam ampliar o número de alunos e instalar novos cursos. Logo nos primeiros anos, concluída a primeira etapa de metas estabelecidas para o crescimento das FIO (UNIFIO) e do Colégio, Nildo e Roque começaram a idealizar uma nova realidade para a FEMM, construir um campus universitário e comprar o prédio do Colégio Santo Antônio. Conscientes dos desafios que tinham pela frente, perseguiam seus objetivos, sempre observando que a luta para a realização de todos os investimentos teria que caminhar junto com a atuação dedicada da direção e do corpo docente das duas instituições para o que sempre foi a prioridade da FEMM: a busca da qualidade de ensino da Educação Infantil à graduação e pós-graduação. Apoiados na confiança e credibilidade conferidas pelo Conselho de Mantenedores, integrado pela expressiva representação da comunidade ourinhense, Nildo e Roque foram reeleitos sucessivamente, durante anos, com voto de louvor, pelo trabalho dedicado e sério demonstrado pelos excelentes resultados tanto na gestão administrativa da FEMM como nas conquistas alcançadas pelas FIO (UNIFIO) e Colégio Santo Antônio.

Em 2020, a FEMM chega ao seu cinquentenário com o vigor da modernidade e comprometida com a excelência de ensino, avalizada pelos melhores conceitos do MEC, pelo sucesso dos profissionais formados pela UNIFIO e pelo desempenho dos alunos do Colégio Santo Antônio, que encontram na instituição o ambiente ideal para a formação integral que lhes garante a oportunidade de ingressar nos cursos desejados e frequentar as melhores universidades do país. O diferencial da Educação preconizada pela FEMM, hoje uma realidade para a UNIFIO e para o Colégio, está na qualificação de seu corpo docente e nos recursos pedagógicos e tecnológicos que disponibilizam aos alunos: salas de aulas modernas, biblioteca completa para todos os cursos e avançados laboratórios.

Atualmente, o industrial Roque Quagliato (presidente) tem como vice-presidente a empresária Beatriz Quagliato Porto que trouxe para a instituição, além da vitalidade e disposição da juventude, o amor e compromisso para preservar um dos mais importantes patrimônios educacionais e culturais da região.

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com